terça-feira, 26 de junho de 2007

Introdução

A única coisa em que ele conseguia pensar, ao cambalear pelo corredor com as mãos sobre o peito, era que tudo era uma grande mentira. Não havia nenhum filme da sua vida e menos ainda um túnel de luz. Enquanto morria, Austregésilo Castello-Branco só conseguia sentir a dor insuportável e o medo avassalador. O som das pessoas conversando no andar de baixo parecia cada vez mais distante aos seus ouvidos e de repente tudo acabou.

Os convidados, surpreendentemente, só perceberam que o anfitrião – ou o velho, como todo mundo o chamava – não estava na sala tempos depois. A descoberta deixou todo mundo eriçado. Quase todos os presentes tinham motivos para mandar Austregésilo ao encontro do Criador. E todos acharam melhor, antes de chamar a polícia e correr o risco de ter seus podres revelados em letra grandes nas manchetes, arrumar um detetive particular. Alguém que pudesse resolver o caso ali, na intimidade do lar do falecido. “Entre amigos”, diria um dos presentes com uma risadinha marota (o mesmo que havia feito a piada do pavê quando o doce foi servido).

Apesar da fortuna do rico industriário estar estimada em um bilhão e meio de dólares, tudo o que eles conseguiram foi um detetive meio, digamos, duvidoso. Primo do mordomo, Mesquita foi o que deu para arrumar no meio da noite calorenta em que o velho bateu as botas.

Onde isso vai parar? Só Deus sabe.

6 comentários:

Fal disse...

AAHHH!!!!!!!!!!!

Cabelo disse...

Tá com medo Fal? Você tem algo a ver com a morte do velho?

Fal disse...

Eu? Eu não, de jeito nenhum, eu nem conhecia esse velho, nem sabia que ele usava colete verde às sextas-feiras.

Anônimo disse...

What a diabos aconteceu com esse velho afinal?

Mahaaka - Aum Budhaia Namarrá disse...

aposto que ele enfartou depois de pedir para uma striper desamarrar o cabelo dele da cabeça

Lady Sith disse...

Eu lembrei logo de um livro que li quando era criança: A Morte tem Sete Herdeiros. Essa reunião de várias mentes insanas deve ser tão divertida quanto.