quinta-feira, 6 de setembro de 2007

O Final Acachapante - parte I

Ou O Diário do Velho, Só o Último Mês

25/05
Hoje colhi uma bela flor no jardim.
Fui de novo visitar o que, no futuro, pretendo transformar na Igreja de Jesus Cristo dos Frotas dos Últimos Dias. O problema é que eu acho que eu vi a Margarida rondando por lá. Não sei se ela me viu. Ela achava que eu não sabia que ela não podia ter filhos quando mandei ela sair com o Igor, mas eu sabia. Eu sempre sei de tudo, eu sou sabão (hihihi).
Ela não perde por esperar. Atriz e modelo, sei...

03/06
Hoje bati com o dedinho no pé da poltrona e falei um monte de palavrão.
Já contei que chamei um biografo para escrever um livro sobre a minha vida. Era pra ser um livro tipo o daquele cara da GM, contando minha trajetória de sucesso no mundo empresarial, mas o idiota descobriu meu lance com o Roberto e quer colocar no livro. Tentei argumentar calmamente com ele que eu estava pagando, então eu dizia o que podia ou não escrever, mas ele continuou teimando, mesmo o Cabelo enfiando a cabeça dele repetidas vezes na banheira cheia de água. Depois vou ter que dar um jeito nele.

07/06
Hoje o cheiro do café espalhado na cozinha me trouxe uma série de lembranças.
Lembrar de pagar o carnê do bagulho.
Lembrar de dar um jeito de tirar o manqueta do meu testamento.

12/06
Hoje comi a Carminha a noite inteira.
De manhã veio aqui aquele meu sobrinho doido. Agora ele veio com um papo de arrastar móveis de um lado para o outro pra mudar as “energias”. Ele acha que vai ficar com toda minha grana... Vai pensando. De qualquer jeito acho que ele está de namorico com o Cabelo. Esse mundo tá mesmo perdido.

14/06
Hoje vi uma nuvem no céu que parecia um coelho.
Cara, se tem uma coisa que me tira do sério são derivados de polipropileno. Ainda se fosse funcionalizado com anidrido maléico, vá lá. Mas não vejo razão para a existência do polipropileno puro e simples, assim. Afinal, quem precisa de plástico? Eu sou do tempo em que tudo era embalado com folha de bananeira, e vivíamos bem assim.

20/06
Hoje comecei a planejar meu assassinato.
Já faz tempo ando meio entediado com essa vidinha. Nos bons tempos a gente aprontava bastante, agora é só esse arroz feijão de chantagem, agiotagem e jogatina; tudo muito boring. Claro que eu não vou morrer de verdade. É só pra causar mesmo.
Vou fazer uma festa e chamar um monte de gente que tem motivos pra me matar. Aí eu supostamente apareço morto no meio da festa, depois dou um jeito de sumir e vai ser o maior fuzuê, com neguinho se acusando e o escambau. Os jornais vão fazer a festa, muito da hora. Aí, sei lá, um mês depois eu apareço vivinho, tipo último capítulo de novela. Acho que vou chamar o Rino na festa, ele é o único que vai entender o que tá rolando e vai se divertir. Só tenho que lembrar de não convidar aquele cara da piada do pavê, não quero concorrência, alguém pode acabar se empolgando e matando ele de verdade.
Andei conversando com uns dublês e especulando uns esquemas. Tem a famosa facada nas costas; parece que eles têm um dispositivo para isso. Aí dou um jeito de algum dos idiotas ter a faca ao alcance das mãos e ofereço minhas costas já usando o aparato hollywoodiano.
Mandei também fazerem meu caixão. Acho clássica essa, de encomendar o caixão. Vai chegar na hora da festa, pra dar um clima.
Enfim, cuidados todos os detalhes, vou me divertir à pampa. (Eu me lembro de quando usar gírias de velhinho levantava meu astral; agora, nem isso, bro). Preciso urgente de alguma adrenalina. E a única cena que me resta é a morte.

14 comentários:

Mymi disse...

Muito bom!
Destaque para as anotações que o velho fazia do cotidiano: "Hoje vi uma nuvem no céu que parecia um coelho." Hahahahaha!

Quem será que matou? Ai!

Monique disse...

Ok, agora levando em consideração que foi o Cabelo quem encontrou o corpo (e que além dele somente o Danton esbarrou no cadáver), eu pergunto: alguém realmente competente se deu ao trabalho de verificar se o morto tava morto mesmo? Tipo um médico?

Muta disse...

monique, pertinente essa sua questão...

esse velho feladaputa!

comendo a carminha a noite toda é?

e eu não fiquei sabendo de nada?

estranho... devo ter bebido mto naquela noite... o.O'

Paula disse...

Sensacional o diário do velho!

"Hoje bati o dedinho no pé da poltrona e falei um monte de palavrão."

Quero que o Neneco leia o diário inteiro! Tá, inteiro não...

Anônimo disse...

São todos hipócritas!
Todos nesta festa se odeiam, todos que depuseram se odeiam, o véio odeia coelhos, e odeia nuvens e odeia odiar demais alguma coisa, e quando ele gosta de alguma coisa, com certeza está sendo hipocrita.
Esse diário tem muito mais do mesmo e tenho certeza que não é o diário dele, mas sim o Necronomicon ou o Livro negro de São Cipriano.

Segundo algumas fontes isso pode ser também o Evangelho perdido de São Paraguno, o santo eremita bipolar que vivia rodeado de mil pessoas.

Isso dito, acho que nesta festa as mulheres eram homens e os homens, bichas.

são paragundes disse...

esse anônimo é um tipo de severino h.p. que escreve bem?

Garotos também dizem ni disse...

Não, é O Severino HP, que tenta escrever bem e dar continuidade àquela personalidade ridícula que foi criada no pior texto da história desse blog.

Anônimo disse...

Eu pensava que nada poderia ser mais chato que Zorra Total, até que surgiu esse blog.

Acabem com essa história de uma vez por todas, já que a criatividade já foi para o brejo há muito tempo mesmo.

Anônimo disse...

Garotos que dizem ni também escrevem bem, mas como diria Fagundes, a inveja é o resultado da digestão.

Raquel disse...

Putz, esse anônimo é chato, não? Mas como eu ia dizendo... essa história tá ficando cada vez melhor! :)

jones disse...

Eu sou o anonimo do 7 de setembro.
Mas essa profusão de anonimos pode ser uma conspiração. Ninguém sabe quem é quem, e todos os anonimos saem duma vagem marciana e vem aqui estragar o modo de vida blogueiro, de verdade, justiça e comentários exacerbados com IP identificado.
Com isso, o amor pode desaparecer da Terra.
Ninguém verá mais o Sol.
Ninguém mais será livre.
Sauron irá retornar.

Neneco disse...

anônimo do dia 10: calma, cocada. a solução já vem. enquanto isso, assista ao zorra total.

Monique disse...

Muta, você não foi convidado.

Lady Sith disse...

Adorei o diário do Austregésilo. Principalmente a parte de vilão de filme de ação em que ele explica etalhadamente o plano maligno. Só falta saber se deu certo (como a Monique perguntou, alguém checou se o velho tinha mesmo empacotado?) ou se algum convidado não caiu no truque roliúdiano e deu mesmo cabo dele.